Metaverso, o que 2022 reserva para o mundo digital

Você já deve ter ouvido falar no metaverso, não é mesmo? Esse conceito saiu das páginas literárias e já é realidade, mas o que esperar para 2022? Por ser novidade para todos — consumidores, empresas e governo —, há muito o que aprender sobre o mundo digital imersivo.

A verdade é que essa é uma fase natural da evolução tecnológica da sociedade. Trata-se de uma fase do movimento que começou com o grande avanço da internet e das experiências digitais, que nos permitiram acessar uma conta bancária sem sair de casa e até fazer um bolão online.

Embora o próprio conceito ainda esteja em construção, esse ano deve ser marcado por um avanço interessante. Especialistas afirmam que 2022 é o início de um “boom”, em que o metaverso começará a mostrar todo o seu potencial. Quer saber o que nos espera? Continue a leitura!

Afinal, o que é metaverso?

Afinal o que é metaverso

Comecemos pela polêmica: o que é metaverso? A palavra caiu no senso comum, mas na prática existem muitas maneiras de conceituá-la, isso porque ainda não temos uma definição clara e amplamente aceita.

Você pode ter lido por aí que o metaverso deve substituir a internet e que ele tem a ver com as NFTs, outros até dizem que todos vamos ter uma “vida” por lá. Enfim, não há consenso, mas a melhor maneira de entender sobre o que estamos falando é analisar esse universo sob três óticas. Veja!

Metaverso como produto

Nesse primeiro cenário, o metaverso é um produto ou serviço, que conta com alguns atributos, como a persistência, sincronicidade e interoperabilidade. Essa definição não está tão distante do que a internet já é, mas acrescenta o plus do 3D.

Assim, podemos dizer que ele é uma rede de mundos e simulações 3D em tempo real. Tudo isso pode ser experimentado por várias pessoas, de forma individualizada, cada um executando a tarefa que desejar. 

Metaverso como lugar

O metaverso também é um lugar. Isso mesmo! Um espaço onde as pessoas podem se conectar, interagir, realizar tarefas e até transações financeiras. Prova disso é que já existem plataformas de jogos, como Roblox e Fortnite, em que os jogadores têm um avatar e conseguem “viver” nesse mundo digital.

Metaverso como momento

O metaverso como momento é uma definição recente e diz respeito a um lugar do tempo. Ele seria a fase em que nossas vidas digitais se tornam mais significativas e interativas do que nossas vidas físicas.

Pode parecer estranho dizer isso, mas estamos caminhando para essa perspectiva. Com isso, ele não seria apenas uma revolução tecnológica, mas uma transição sociológica e cultural.

O futuro do metaverso: o que podemos esperar para 2022?

Em 2022, e nos anos seguintes, veremos o metaverso se manifestar principalmente por meio da realidade virtual. Ou seja, um mundo digital alternativo que pode ser usado para propósitos pessoais e empresariais.

Os gigantes da tecnologia estão apostando pesado nisso. A Meta (antigo Facebook), a Microsoft e a Sony acreditam que a ideia de presença digital seja cada vez mais real. Veja, a seguir, mudanças que começaremos a ver ainda este ano!

Mudanças nas relações de trabalho

Com o aumento dos investimentos no metaverso, veremos que as empresas adotarão uma forma mais inovadora de lidar com antigos processos. A criatividade e a tecnologia caminharão lado a lado para construir experiências diferenciadas. 

Com isso, em 2022, veremos o futuro do trabalho acontecendo. Capacitações no mundo virtual e colaboração remota entre dispositivos são apenas alguns exemplos. Aliás, Bill Gates prevê que as reuniões virtuais passarão para o metaverso em três anos.

Esse movimento deve contribuir ainda mais para a cultura de home office — já difundida em razão da pandemia de Covid-19. Com isso, dependeremos cada vez menos de locais de trabalho formais e inflexíveis. 

Mudanças nos modelos educacionais

As escolas também devem ser impactadas. Ainda este ano, começaremos a ver o desenvolvimento de games educacionais voltados para uso em sala de aula. Com isso, os estudantes poderão se reunir em ambientes virtuais para executar tarefas e adquirir novas habilidades.

Mudanças no varejo

O varejo deve ser um dos setores mais impactados com essa nova era. Por isso, não se assuste se ouvir falar em lojas que vendem animais de estimação digitais e roupas para usar no metaverso.

Parte desse movimento já existe no jogo Fortnite, que já capitaliza as skins digitais. Agora, grandes varejistas começam a seguir o exemplo, como a Nike, que registrou marcas para equipamentos, sapatos e acessórios virtuais, e a Gucci e Luis Vuitton estão vendendo roupas e bolsas digitais.

Mudanças no mundo das artes

É provável que você tenha ouvido falar nas NFTs nos últimos meses. Elas são a sensação do metaverso e demonstram como o mundo das artes deve ser impactado por esse novo universo de realidade digital.

Pode parecer surreal, mas alguns desenhos são vendidos por milhões e passam a decorar mansões digitais e imersivas. Inclusive, celebridades e empresários de sucesso já estão adquirindo suas obras.

Avanço da internet banda larga no Brasil e no mundo

Para que esse novo mundo opere da forma necessária, é indispensável que a internet seja rápida e de qualidade. Por esse motivo, teremos investimentos importantes na área da tecnologia, que farão com que mais pessoas possam acessar a rede de onde estiverem e com uma conexão estável.

Conclusão

Como vimos, o metaverso veio para mudar a forma como interagimos com outras pessoas na internet. O que parecia ficção científica está se tornando realidade nessa grande rede interconectada de espaços virtuais.

Apesar de mundos digitais e avatares não serem uma novidade (já existem em jogos, como o Grand Theft Auto e Minecraft), o meta deve ir muito além do entretenimento, criando espaços de trabalho virtuais, casas e experiências para todos os tipos de públicos.

Por isso, não importa o quão descrente sobre o assunto você seja, fique atento a esse conceito e não lute contra a evolução que se tornará ainda mais evidente em 2022. O futuro é digital e, como é possível perceber, ele já começou!

Metaverso