quais as atribuições de um técnico do INSS

Quais as atribuições de um técnico do INSS?

O cargo exige nível médio e inclui funções diversas ligadas aos direitos previdenciários.

Criado em junho de 1990, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é o órgão responsável por receber as contribuições para a Previdência Social, que tem como função realizar o pagamento de aposentadorias, pensão por morte, salário-maternidade e auxílios para doença, acidente e reclusão.

Uma reportagem realizada pela Folha de São Paulo indica que o quadro de funcionários do INSS abrange 23 mil profissionais destinados ao atendimento geral da população e à análise das solicitações de benefícios. Para trabalhar no órgão, é necessário prestar o concurso INSS, que oferece os cargos de técnico, analista e perito. A prova é de nível federal e compõe um dos certames mais concorridos do país.

O cargo de técnico, que realiza serviços gerais relacionados aos direitos previdenciários, é um dos que mais chama a atenção, pois exige formação de nível médio e tem como remuneração inicial o valor de R$ 5.344,87. Saiba mais sobre as funções do cargo.

Atribuições do profissional

As atribuições do técnico do INSS são mais gerais quando comparadas aos cargos de analista e perito. Por não exigir formação específica de área, o cargo demanda atividades generalistas. Entre elas, as principais são o atendimento ao público e a orientação de beneficiários, bem como o esclarecimento de suas dúvidas.

No entanto, há diversas outras atribuições que compõem o dia-a-dia do técnico. O agendamento de perícias e o andamento de pedidos dos segurados da Previdência Social são algumas delas. Internamente, o funcionário deve ainda verificar pedidos de concessão e revisão de benefícios, por exemplo.

Embora mais raras, as atividades de coleta de informações e execução de levantamentos, controles, pesquisas, relatórios e pareceres sobre a Previdência Social também podem ser solicitadas ao funcionário. Além disso, as informações coletadas formalmente, ou mesmo as impressões do técnico durante sua jornada de trabalho, podem ser utilizadas em processos de tomada de decisão dentro do órgão.

Requisitos para a atuação

Para trabalhar como técnico do INSS, o principal pré-requisito é a formação completa no ensino médio ou em algum curso técnico equivalente. O certificado de conclusão, que será apresentado no momento da admissão, deve ser expedido por uma instituição de ensino com reconhecimento pelo Ministério da Educação (MEC).

Além da formação no ensino médio, o profissional deve estar em dia com seus deveres eleitorais e gozar de seus direitos políticos. O candidato do sexo masculino deve, ainda, ter quitado suas obrigações militares.

É necessário ter no mínimo 18 anos completos no momento da posse e possuir nacionalidade brasileira ou portuguesa; neste último caso, é necessário ainda estar amparado pelo Estatuto de Igualdade de Direitos e Deveres entre Brasileiros e Portugueses.  

Como trabalhar como técnico do INSS

A única forma de atuar no cargo de técnico do instituto é por meio do concurso público do INSS. A prova, de nível federal, oferece vagas de trabalho para todos os estados do país.

Na última edição do concurso, realizada em 2016, o exame cobrou 50 questões objetivas de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos, ambos os blocos com caráter eliminatório e classificatório. Em relação aos conteúdos cobrados, a área de conhecimentos básicos inclui assuntos como Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico, Noções de Informática e Ética no Serviço Público. Já a área de conhecimentos específicos inclui assuntos diversos ligados à Seguridade Social.

Salário

O cargo de técnico do INSS tem como remuneração inicial o valor de R$ 5.447,70 para a jornada de 40 horas semanais, remuneração considerada atraente, especialmente em relação à formação exigida, de nível médio. Conforme o técnico passar pelas progressões previstas na legislação, sua remuneração pode chegar ao valor de R$9.099,25 também em uma jornada de 40 horas por semana.