Enriquecimento ambiental para cachorros: como fazer?

Conheça um pouco mais sobre esse conceito que tem tudo para deixar seu pet mais saudável e feliz.

Os cães têm como principais ascendentes os lobos, animais selvagens com faro e instinto aguçados para a caça de presas. Algo que, de uma forma mais branda, ainda é presente nos nossos companheiros de quatro patas. Se o cachorro mantém essas características, o mais interessante é incentivá-las. 

Disso surge o conceito de enriquecimento ambiental, isto é, tornar o espaço em que o animal vive mais atrativo e desafiador, usando brincadeiras e petiscos, até mesmo com ração de pet. O objetivo é fazer com que o seu bichinho seja muito mais estimulado no dia-a-dia, mesmo quando você não estiver presente.

O que é?

O conceito de enriquecimento ambiental surge na década de 1970 dentro de zoológicos de diversos países. A ideia era tornar o espaço onde animais em cativeiro estavam mais parecidos com seu habitat natural. 

Dessa forma, os bichos acabavam tendo atividades, físicas e mentais, que ajudavam a inibir certos comportamentos, principalmente a agressividade e a irritabilidade, muito comuns em animais de cativeiro.

Com o passar do tempo, o conceito foi se ampliando e hoje vem sendo cada vez mais usado dentro de casa com animais domésticos. Os principais benefícios são o desenvolvimento de habilidades, gasto de energia mental e física, trabalho com estímulos e até mesmo redução do medo e do estresse.

Existem diferentes tipos de enriquecimento ambiental:

Alimentar

Uma possibilidade é tornar a alimentação mais atrativa, usando petiscos naturais como frutas (confira com seu veterinário as que são liberadas para cães) e até mesmo usando brinquedos “recheáveis”, de modo que o animal tenha que movimentar o objeto para obter a ração.

Cognitivo

Aqui a ideia é fazer com que o cachorro se esforce e aprenda o que é certo a se fazer através de comandos, usando a técnica da recompensa caso ele consiga fazer aquilo que foi ordenado. É a parte que diz respeito ao aprendizado de ações como dar a pata, sentar e deitar.

Físico

Nesse caso, a ideia é fazer com que o seu pet se movimente mesmo. Brincadeiras com objetos que ele possa morder, correr atrás ou até mesmo móveis em que ele possa escalar, bem como os passeios, são algumas das opções.

Sensorial 

O enriquecimento ambiental do tipo sensorial pretende estimular todos os sentidos do seu pet. Para isso, é preciso misturar sabores, texturas, cheiros e até mesmo sons nas atividades.

Social

Esse último tipo de enriquecimento ambiental tem a ver com a socialização do animal com outros animais e até mesmo com humanos. O foco, nesse caso, é possibilitar a convivência do seu pet para que ele se torne menos medroso ou agressivo ao entrar em contato com outros seres, sobretudo humanos e outros cachorros.

Enriquecimento ambiental no dia-a-dia

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre o conceito de enriquecimento ambiental fica mais fácil de aplicá-lo na prática. Uma possibilidade é esconder petiscos ou grãos de ração em diferentes lugares, de modo que o cachorro seja instigado a realizar uma espécie de caçada, usando o faro.

O uso de brinquedos inteligentes, por sua vez, tem se tornado cada vez mais comum nos lares com pets. Os modelos recheáveis são os melhores para incentivar o animal a se movimentar para conseguir a comida. Ofereça também brinquedos para que ele possa morder à vontade, mesmo quando estiver sozinho.

No verão ou em dias mais quentes é possível usar cubos de gelo como outro incentivo ao seu pet. Como? Basta congelar pequenas porções de ração (seca ou úmida) ou frutas com um pouco de água em formas de gelo. O cachorro será estimulado a lamber e até mesmo triturar os bloquinhos para conseguir o alimento.

Lembre-se também de brincar com o animal, correndo ou arremessando os brinquedos para que ele vá buscar. Além disso, mantenha uma rotina de passeios ao ar livre. Com tudo isso, você acaba oferecendo muito mais qualidade de vida ao seu amiguinho de quatro patas.