Tártaro: tudo o que você precisa saber para evitá-lo

O tártaro é um problema bucal muito recorrente entre a população brasileira e mundial. Todos os dias, milhares de pacientes buscam por um dentista em Ceilândia e DF para tratar o problema, mas ele pode ser evitado com hábitos simples.

Mas o que você sabe sobre o assunto? É capaz de dizer o que causa os tártaros e como evitá-los? O tema é muito importante e, apesar de muito debatido, ainda gera dúvidas e inseguranças.

Como a informação é o primeiro passo para uma boa saúde bucal, trouxemos para o blog um post completo sobre o tema. Leia com atenção e tenha um sorriso bonito e saudável!

O que é o tártaro?

O tártaro nada mais é que um resíduo duro e calcificado que se forma sobre os dentes e na gengiva. Ou seja, a placa bacteriana que não foi removida adequadamente e endureceu na boca.

O problema atinge adultos e crianças e pode ter sérias consequências. Isso porque, o acúmulo de tártaro atrapalha a escovação e o uso do fio dental e pode desencadear cáries, mau hálito e até gengivite.

É importante dizer que, por estar associado ao esmalte do dente, apenas um dentista pode fazer a sua remoção. O processo é simples, mas só pode se feito com os equipamentos e produtos adequados. 

O que contribui para o surgimento do tártaro?

Você pode estar pensando: mas eu escovo bem os meus dentes, por que ainda tenho tártaro? A verdade é que, mesmo cuidando bem da sua boca, ela ainda está repleta de bactérias e elas se misturam com o açúcar e o amido dos alimentos que você come.

O resultado dessa mistura é uma película pegajosa que pode ser chamada de placa bacteriana. Esse é o início do problema! Afinal, essa placa cobre os dentes e produz um ácido que danifica o esmalte dentário.

Quando você não consegue removê-la totalmente, em menos de 72 horas ela endurece e se transforma no tártaro. Como dissemos, ele é áspero e poroso e só pode ser removido com equipamentos especiais.

Assim sendo, podemos dizer que todas as pessoas podem desenvolver a placa bacteriana e, consequentemente, o tártaro. Porém, existem alguns fatores de risco:

  • comer alimentos ricos em açúcar em excesso;
  • comer muitos alimentos ricos em carboidratos;
  • não beber a quantidade de água adequada;
  • fumar. 

Que tipo de complicação o tártaro pode causar?

Afinal, o que acontece se você não extrair o tártaro dos dentes? É importante dizer que essa negligência pode ter sérias consequências.

Em primeiro lugar, a grande concentração de cálculos dentários dificulta a escovação e o uso do fio dental. Com isso, há um maior risco de desenvolver cáries.

Além disso, a formação do tártaro pode gerar danos às suas gengivas. Afinal, ele se deposita bem na base do dente e essas bactérias são nocivas à sua saúde, causando irritações. Com o passar do tempo, isso pode levar à doença gengival.

O quadro mais brando é a gengivite, que pode ser facilmente revertido. Basta escovar os dentes com mais atenção, usar o fio dental e visitar seu dentista periodicamente. 

Porém, se essas medidas não forem adotadas, você pode começar a sofrer com bolsas entre a gengiva e os dentes. Esses espaços são um grande depósito de bactérias e dão início a uma doença chamada de periodontite.

O que acontece é que, ao perceber a grande concentração de microrganismos noviços à sua boca, seu sistema imunológico inicia uma reposta. Essa ação liberar substâncias que, ao se misturarem, podem danificar ossos e tecidos

Vale destacar que diversos estudos ligam a presença de bactérias a doenças cardíacas e outros problemas de saúde.

Como prevenir o tártaro?

Sem dúvidas, a maneira mais eficiente de prevenir o tártaro é cuidando bem da sua saúde bucal. Afinal, quem se dedica a isso tem um sorriso bonito e livre de bactérias e doenças.

Essa orientação pode parecer vaga demais. Então, reunimos algumas boas práticas que trazem bons resultados. Você verá que são hábitos simples e que podem ser aplicados em seu dia a dia. Veja:

  • escovar os dentes após as refeições, durante dois minutos de cada vez;
  • usar fio dental todos os dias;
  • trocar a escova de dentes a cada 3 meses;
  • usar creme dental com flúor;
  • ir ao dentista a cada 6 meses para uma limpeza profissional;
  • ter uma dieta saudável, com pouco açúcar e amido;
  • não fumar.

Como é feita a remoção dos tártaros?

Como é feita a remoção dos tártaros

Como vimos, quando a placa bacteriana endurece, ela se adere fortemente ao dente. Assim que ela se transforma no tártaro, não é possível fazer sua remoção sozinho. É necessário ir a um dentista.

Nesse caso, o profissional pode optar por diferentes procedimentos, a depender da quantidade e da gravidade do quadro. 

Quando o paciente não tem muito tártaro, nem perda óssea ou outra doença gengival, o ideal é que a limpeza profissional seja feita a cada 6 meses. Na consulta periódica, seu dentista fará uma raspagem da placa, garantindo a extração dos resíduos.

Mas há casos em que é necessário a realização de um desbridamento. Ele é indicado quando o paciente tem cálculos mais densos e que atrapalham o dentista a realizar uma correta avaliação. Para isso, instrumentos ultrassônicos e ferramentas manuais podem ser usados.

Em outras situações, em que há a presença de bolsas entre os dentes e a gengiva ou doença gengival, é necessária uma raspagem mais profunda. Conhecida como alisamento radicular, o procedimento exige anestesia local e é um pouco mais complexo.

Em resumo, o que se percebe é que cuidados básicos podem evitar o agravamento da situação. Além disso, ter tártaro é uma situação comum e não há por que se sentir constrangido para ir ao dentista fazer essa limpeza.

Conclusão

Diante de tudo o que foi apresentado, podemos concluir que o tártaro não é um problema bucal sério. Porém, caso não seja tratado da forma adequada, pode se agravar e causar complicações mais sérias.

Por esse motivo, adotar bons hábitos de higiene bucal e visitar o dentista, pelo menos, 2 vezes ao ano é suficiente para se manter livre do problema. Faça sua parte e tenha um sorriso bonito e saudável!

tártaro