O Brasil nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022

As Olimpíadas de inverno sempre são especialmente desafiadoras para os atletas brasileiros que se aventuram nos esportes no gelo, naturalmente, nosso país não é potência nas modalidades de inverno. Por limitações de clima e menor investimento, os atletas precisam superar algumas dificuldades e nunca ganharam uma medalha. Apesar disso, a delegação brasileira sempre marca presença nos jogos de inverno e, algumas vezes, conseguem resultados interessantes.

No gosto do público geral, as olimpíadas de inverno são muito conceituadas e os jogos possuem cobertura total dos maiores veículos de comunicação do Brasil. Além disso, muitos sites especializados em apostas esportivas, como o https://casino.netbet.com/br/, o Sportingbet e o Bet365, oferecem a oportunidade dos fãs dos jogos de inverno apostarem nas suas modalidades preferidas, algo que com certeza aproxima o público dos seus atletas favoritos.

Panorama geral da delegação brasileira nos jogos de inverno 2022

A delegação do Brasil para as Olimpíadas de Inverno 2022 não é a maior, mas é considerada a mais preparada de todos os tempos. Mesmo durante a pandemia de Covid-19, os esportistas conseguiram disputar os torneios preparatórios e treinar fora do país.

São 11 atletas em cinco modalidades diferentes: skeleton, bobsled, esqui cross country, esqui estilo livre e esqui alpino. O recorde de participantes foi batido em Sochi 2014, quando 13 atletas representaram o país. Na última edição (Pyeongchang 2018), nove atletas brasileiros foram enviados. Em oito edições de Jogos desde 1992, foram 35 atletas (10 mulheres e 25 homens) que representaram o Brasil em oito esportes. Desde então, os números crescem ao passo que os resultados, também. Isabel Clark terminou em nono lugar no snowboard em Turim 2006.

Metade da delegação disputa o bobsled, composto por quatro titulares e um reserva. De resto, o esqui tem a parte dos atletas, enquanto o skeleton completa a lista. Modalidades conhecidas pelo público brasileiro, como curling e snowboarding, porém, não terão representantes.

Atletas brasileiros que se destacam dentro de suas modalidades

Dentro da delegação brasileira, existem atletas que são reconhecidos no mundo todo e se destacam mesmo longe dos grandes holofotes. Listamos 3 deles aqui:

Nicole Silveira (Skeleton)

Nicole Silveira é a estrela do Time Brasil em Beijing. Aos 27 anos, a atleta do skeleton é estreante nas Olimpíadas, mas conseguiu os melhores resultados do país nos torneios preparatórios. No currículo, tem um top 10 na Copa do Mundo e já foi medalhista em edições da Copa América.

Nascida no RS, mora desde os 7 no Canadá onde também trabalha como enfermeira. No país da América do Norte ela tem acesso a equipamentos e estrutura parecida com as favoritas da categoria, mas treina o esporte há poucos anos.

Sabrina Cass (Esqui Livre)

A atleta, filha de mãe brasileira e pai americano, sempre representou os Estados Unidos, mas desde 2021 defende as cores do Brasil. Sabrina pratica o esporte desde criança e ainda está no início da sua carreira entre atletas profissionais.

Pelo Time Brasil, conseguiu a sua melhor participação em uma etapa da Copa do Mundo, com o 21º lugar nos Estados Unidos, em janeiro. Infelizmente não conseguiu chegar a ganhar medalha, mas tem muito potencial para fazer barulho nos próximos anos

Equipe de Bobsled Masculino

A equipe de bobsled do Brasil tem uma história de participações nas Olimpíadas de Inverno — entre 2002 e 2022, ficou de fora apenas da edição de 2010. Durante a preparação, o time também fez uma série de atividades em São Caetano do Sul, onde uma pista de arrancada foi montada. Na mesma cidade, está em construção a primeira pista dedicada ao esporte na América Latina.

Portanto, o bobsled está em fase de estruturação no país e, apesar dos resultados não serem exatamente os melhores, é uma certeza que a equipe brasileira pode alçar voos mais altos (ou melhor, fazer descidas mais rápidas).

O Brasil nos Jogos Olímpicos de Inverno