Qual é a diferença entre poupar e investir

Qual é a diferença entre poupar e investir

Pesquisas mostram que brasileiros ainda não estão habituados com tais práticas.

Os brasileiros têm dificuldades tanto para poupar dinheiro, quanto para investir, como revelam estudos. Há, ainda, quem confunda os dois termos que, apesar de manterem uma relação entre si, possuem conceitos distintos. Na avaliação de especialistas da área, a situação evidencia a importância de ampliar o acesso à educação financeira.

Na definição do Portal do Investidor – iniciativa da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para disseminar as informações sobre investimentos –, poupar consiste no ato de guardar dinheiro para utilizá-lo no futuro. “Geralmente, envolve mudança de hábitos, pois requer uma redução nos gastos pessoais e familiares.”

Por outro lado, investir significa fazer o valor economizado render. “É empregar o dinheiro poupado em aplicações que rendam juros ou outra forma de remuneração ou correção.” Portanto, os dois conceitos estão relacionados, já que para começar a investir é preciso, antes, poupar.

No entanto, pesquisas revelam que nenhuma das duas práticas são comuns aos brasileiros. O estudo “Retratos da Sociedade Brasileira – Poupança e Consumo”, realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e publicado em dezembro de 2020, identificou que a dificuldade de guardar dinheiro tornou-se maior durante a pandemia da Covid-19, em função da redução do emprego e da renda.

De acordo com o levantamento, 67% dos entrevistados não pouparam dinheiro ao longo do ano passado e 24% afirmaram que também não guardariam recursos em 2021. 

Já outra pesquisa, feita pelo Instituto Reclame Aqui e divulgada em julho deste ano, mostrou que 71% dos entrevistados não investem. Os principais motivos citados para não aplicar os recursos foram falta de dinheiro disponível (40%), não querer arriscar (33%), falta de conhecimento sobre o assunto (17%) e receio de perder dinheiro (9%).

Embora toda aplicação represente riscos, isso não deve ser um entrave para investir. A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) orienta conhecer os tipos de investimento em renda variável e renda fixa para saber suas características e, assim, fazer uma escolha mais assertiva sobre onde investir.

Importância de mudar as atitudes

O presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, explica em artigo publicado no site da instituição, que poupar e investir são ações necessárias para quem deseja realizar sonhos. Por isso, defende a importância de difundir os conhecimentos da educação financeira nas escolas, nas empresas, por meio de cursos, livros e a própria internet.

Também no intuito de replicar esses conhecimentos, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) disponibilizou um material gratuito em seu portal, elaborado pela educadora financeira Bia Santos. “Educação financeira é sobre compreender seu passado e equilibrar as escolhas do presente para construir seu futuro”, define a especialista.

Por onde começar

Para poupar, é preciso reduzir gastos. Para isso, é necessário economizar no dia a dia com as despesas fixas. Não deixar lâmpadas acesas de forma desnecessária e cronometrar o tempo no chuveiro ajudam a diminuir a conta de luz. Aproveitar promoções e substituir marcas são formas de economizar no supermercado. Pesquisar preços, pagar à vista para obter descontos e evitar compras por impulso são outras orientações de Reinaldo Domingos para ajudar a poupar dinheiro.

Já para começar a investir, é necessário avaliar o objetivo, o perfil do investidor e o tempo que se espera ter o retorno financeiro. A partir destas informações, é possível estudar sobre os tipos de investimento disponíveis no mercado e definir quais são os mais atrativos.