contaminação cruzada

O que é contaminação cruzada?

A pandemia aumentou a necessidade de tomar mais cuidado com os hábitos de higiene, como o de lavar as mãos. Veja porque manter as mãos higienizadas te livra de problemas como a contaminação cruzada.

Desde crianças aprendemos a incorporar no nosso cotidiano alguns hábitos simples de higiene, tais como escovar os dentes, tomar banho, lavar o cabelo, lavar bem os alimentos, lavar a louça após o almoço, entre outros. As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) podem ser fatais, principalmente em crianças menores de 5 anos, causando uma média de 420 mil mortes no mundo por ano.

A pandemia enfatizou a necessidade de lavar as mãos com cuidado, pois foi comprovado cientificamente que é uma medida simples, porém eficaz, para reduzir as chances de contaminação pela Covid-19.

Assim, a higiene das mãos é de extrema importância, já que essa é uma parte do corpo que manipula diferentes objetos e entra em contato não só com superfícies, mas também com áreas suscetíveis a deixar micro-organismos externos invadirem o nosso corpo, como os olhos, a boca e o nariz. Por isso, veja mais sobre a contaminação cruzada e por que é importante evitá-la.

O que é

Esse tipo de contaminação consiste na transferência de micro-organismos patogênicos (ou seja, que podem provocar doenças) para um alimento. Tais micro-organismos podem ser oriundos de um alimento, superfície, equipamentos, utensílios ou por quem manipula os alimentos.

Lavar bem os alimentos (tanto os que serão consumidos crus como os que serão cozidos) é um hábito bastante ensinado desde cedo, mas poucos sabem que usar a mesma faca para cortar um alimento cozido e um cru traz riscos à saúde.

Outros comportamentos igualmente perigosos (e muito habituais) são: armazenar alimentos de diferentes origens no mesmo recipiente, mexer na boca, nos olhos e no nariz enquanto cozinha e manipular o lixo durante a preparação da refeição sem higienizar muito bem as mãos.

Alimentos

Qualquer alimento é passível de contaminação, mas existem alguns que estão mais suscetíveis a isso. Segundo o Ministério da Saúde, os alimentos crus (como carnes vermelhas, verduras, frutas e ovos) são responsáveis por 34,5% das doenças transmitidas por contaminação alimentar no país. Uma dessas doenças é a contaminação cruzada.

Um exemplo de como isso pode ocorrer é: quando pingos de sangue da carne vermelha armazenada na parte superior da geladeira caem sobre legumes cozidos que estão na parte inferior.

Utensílios

Todo mundo sabe que é preciso higienizar não só louças e panelas, mas também todos os utensílios que foram utilizados durante a preparação e a ingestão dos alimentos.

Contudo, se essa higienização não foi feita corretamente, isso pode trazer problemas, já que bactérias podem sobreviver por longos períodos em superfícies como tábuas, facas, recipientes e bancadas. Por isso, lembre-se de limpar tudo corretamente, mesmo quando a preguiça após o almoço bater.

Como evitar?

Existem algumas medidas simples para evitar a ocorrência de contaminação cruzada. Uma delas é armazenar os alimentos com cuidado: as carnes devem ficar na prateleira inferior da geladeira, para não haver riscos de gotas de sangue pingarem (e contaminarem) outros alimentos. 

Além disso, é recomendado não colocar lado a lado carnes e alimentos prontos. O mais recomendado é preparar a carne até poucos dias após ela ter sido comprada. Se essa não é a sua intenção, é melhor armazená-la direto no congelador.

Na hora de preparar os alimentos, é bom ter uma tábua diferente para cada tipo de alimento (verduras e legumes, carnes cruas, frutas, etc.). Do mesmo modo, é recomendado usar diferentes utensílios e pratos para cada tipo. 

Na hora em que estiver lavando os alimentos (sobretudo frutas, legumes e verduras), é melhor não usar anéis, pulseiras e quaisquer outros acessórios nas mãos, pois eles podem conter microorganismos que acabam sendo passados para os alimentos.