aposentadoria

Quando devo começar a pensar na minha aposentadoria

Dentre os muitos planos que é necessário fazer ao longo da vida, a aposentadoria é uma delas. Ter uma boa renda após tantos anos de trabalho é muito importante e mais do que depender do INSS, é cada vez mais preciso olhar para outras formas de renda, como a aposentadoria privada.

As mudanças da reforma da Previdência fazem com que um planejamento extra seja ainda mais essencial para garantir uma vida idosa saudável e com maior tranquilidade. Você já se perguntou quanto começar a pensar sobre sua aposentadoria? Saiba mais sobre esse momento!

Quando planejar a aposentadoria?

Não existem datas corretas para se começar um planejamento, mas uma coisa é certa: quanto antes melhor! Quanto mais cedo você começar a investir, menor será a quantia mensal que você poderá aplicar e dividir entre seus gastos e, mesmo assim, seu retorno tende a ser ainda maior no futuro.

Imagine que uma pessoa começa a investir em seus 20 anos, uma quantia considerada pequena, como R$200,00 ao mês. Se seu plano for se aposentar por volta dos 60, serão 40 anos de investimento (e claro, a tendência é que a quantia também aumente ao longo de melhores posições de trabalho) fazendo com que o patrimônio seja acumulado sem problemas no orçamento mensal, faz sentido?

Sendo assim, quanto mais cedo esse planejamento começa, melhores são as chances de mais tranquilidade e rendimento após a aposentadoria.

Como planejar a aposentadoria?

Se esse planejamento deve ser feito o quanto antes possível, é preciso saber como fazê-lo para que ele não atrapalhe seu orçamento mensal e não seja deixado para depois. Para isso, reunimos algumas dicas para essa importante organização!

Identifique suas rendas e despesas

Para planejar a aposentadoria é preciso seguir uma regra básica: tenha um fluxo financeiro e faça seu planejamento como um todo. Para isso, é preciso identificar seu fluxo de caixa mensal e anotar quanto ganha e tudo o que gasta.

Não apenas as contas fixas, mas também os gastos esporádicos e até aqueles que parecem pequenos e inofensivos como cafés, almoços e pequenas saídas. Ao visualizar seus gastos será possível entender onde você mais está gastando seu dinheiro e poderá identificar o que pode ser cortado para poupar para outros planos.

Elimine dívidas

Antes de começar investimentos, até mesmo a aposentadoria, é importante pensar em suas dívidas, afinal, elas devem ser as primeiras a serem quitadas para que seus objetivos futuros possam ser alcançados.

Ao identificar seu orçamento mensal, saiba o quanto precisa ser destinado para esses pagamentos, busque fazer negociações e priorize esse pagamento.

Defina objetivos

Planejar aposentadoria não é apenas guardar dinheiro, é preciso de organização e disciplina para que esse investimento dê certo para seus planos.

Portanto, pense em quanto você pode separar de seu orçamento para essa poupança, reflita sobre quando você espera aposentar e pense no quanto você gostaria de ter nesse período da vida.

Ao ter objetivos mais claros e definidos é possível planejar o quanto deve ser investido por mês para que sua meta seja atingida a longo prazo.

Não dependa apenas do INSS e invista na previdência privada

Para que você tenha mais tranquilidade e possa planejar ainda melhor sobre o quanto quer em seu futuro, investir na previdência privada é uma excelente forma de ter uma vida pós-trabalho com uma renda ainda melhor para seus planos.

A previdência privada complementar é dividida em duas categorias, os de planos abertos e fechados. Os fechados são mantidos por instituições e só é possível aderir caso você faça parte desse grupo, como empresas ou instituições que contam com fundo de pensão exclusivo e, os planos abertos são aqueles que qualquer pessoa pode contratar.

Dentro dos abertos existem as categorias VGBL e PGBL. O VGBL, ou Vida Gerador de Benefício Livre, são planos indicados para aqueles que não possuem renda muito alta e que declaram o Imposto de Renda no modelo simplificado. Nesse investimento, os rendimentos só são percebidos no momento do resgate e o imposto incide apenas sobre os rendimentos da aplicação e não sobre a quantia total.

Já o PGBL, Plano Gerador de Benefício Livre, é indicado para quem faz declaração completa do Imposto de Renda. Nesse plano, o imposto incide sobre o valor final a ser resgatado, independentemente do valor e do tempo em que ele será retirado, ou seja, o imposto se dá pelo montante total e não apenas pelos rendimentos.

Você já está planejando sua aposentadoria? Aproveite que agora você sabe mais sobre o tema e coloque seus planos e orçamento no papel!