Como evitar doenças do fígado

Todas as pessoas devem cuidar do fígado, órgão vital para o corpo humano. Problemas podem ter consequências fatais, se não forem descobertos e tratados a tempo. 

Fígado

                 Fonte: Freepik

O fígado possui 500 funções vitais, sendo o principal catalisador de gordura e desintoxicante do organismo. Ele transforma as toxinas lipossolúveis em água para serem eliminadas mais facilmente pelo corpo. Além de metabolizar a gordura, regula hormônios e armazena nutrientes que, só depois disso, podem ser absorvidos e utilizados.

Cânceres, hepatites, fibrose, cirrose ou problemas genéticos podem comprometer o funcionamento do órgão. Muitas vezes, os sintomas são silenciosos, podendo levar tanto a quadros fulminantes quanto crônicos. Para a insuficiência hepática, por exemplo, a opção é o transplante.

Por isso, o ideal é prevenir. Algumas doenças são decorrentes do estilo de vida. Portanto, adotar o padrão saudável faz diferença para melhor. Todos, não apenas quem pode desenvolver alguma doença que comprometa o fígado, devem fazer as consultas e os exames de rotina.

Como prevenir alterações no fígado de forma natural

O sobrepeso é um fator de risco por aumentar a gordura no fígado e desencadear doenças como a esteatose, que pode levar a outros problemas mais graves. Também é necessário manter a pressão arterial sob controle. A hipertensão é um fator que agrava a situação de pacientes com doenças no fígado.

A pessoa deve evitar o sedentarismo e praticar exercícios regularmente. Ao mesmo tempo, optar por uma alimentação saudável, com grãos, frutas, vegetais, alimentos ricos em fibras e as proteínas magras. Devem ser evitados produtos com alto teor de gordura, frituras e sal.

O consumo exagerado de bebida alcóolica também é um inimigo do fígado. O alcoolismo sobrecarrega o órgão que não consegue filtrar todo o álcool do sangue. O prejuízo varia desde o chamado “fígado gordo alcóolico”, com o aumento da gordura depositada, chegando à hepatite alcoólica, cirrose e até insuficiência hepática.

Quem já tem problemas no fígado deve seguir as prescrições do especialista e evitar automedicação, ingestão de suplemento ou vitamina. Dependendo da dose ou da combinação com outros remédios, drogas medicamentosas pode causar danos ao órgão.

Orienta-se manter o cartão de vacinas sempre atualizado, mesmo se for adultos. É a forma de prevenir o fígado contra as hepatites.

Check-up identifica doenças silenciosas

O acompanhamento de doenças no fígado pode ser feito pelo clínico geral ou, se já houver alguma condição específica, pelo gastroenterologista ou pelo hepatologista.

No entanto, check-ups periódicos da saúde do órgão são indicados, já que algumas alterações podem ser silenciosas. Exames de análise clínica e de imagem são comumente solicitados, tanto para diagnóstico quanto para acompanhamento.

Um deles é o de GGT, ou Gama Glutamil Transferase, uma enzima encontrada no fígado e em outros órgãos, como rins, vesícula biliar e pâncreas. Por meio da análise laboratorial, é possível estudar a saúde e o funcionamento do fígado do paciente, verificando se há alguma alteração.

O GGT é feito por meio da coleta de sangue em laboratório. No agendamento, a pessoa recebe as orientações pertinentes, como fazer algumas horas de jejum. Dependendo do caso, pode ser necessário interromper a ingestão de medicamentos antes da coleta para não interferir no resultado.

Geralmente, costuma ser solicitado junto à análise de fosfatase alcalina. Resultados elevados no exame de GGT podem indicar diabetes, hepatite, cirrose e bloqueios no fluxo de bile para o fígado, por exemplo.

A partir das alterações detectadas, o especialista pode solicitar exames adicionais como a ultrassonografia, a tomografia computadorizada, a elastografia hepática e a ressonância magnética para obter mais elementos de análise e encaminhar para o tratamento médico conforme o caso.

Texto escrito por : Rodolfo Milone