Cérebro
"Aprenda um novo idioma enquanto dorme!" - pode parecer o começo de um anúncio comercial ruim, mas novas pesquisas encontraram algumas evidências para o aprendizado durante o sono.
Naturalmente, é improvável que escutar uma fita em francês enquanto você dorme lhe permita obter instantaneamente a capacidade de começar a falar francês na manhã seguinte, mas o facto é que pode melhorar a sua capacidade de aprender um novo vocabulário, de acordo com um estudo publicado na Current Biology.
Os pesquisadores sabem já há muito tempo que o sono desempenha um papel importante no processo de aprendizagem. Enquanto estamos dormindo, o nosso cérebro está ocupado organizando e consolidando as informações e os eventos que aconteceram naquele dia.
Coisas importantes são arquivadas, enquanto coisas sem importância são excluídas para abrir espaço para novos aprendizados. No entanto, os cientistas não pensavam que era possível realmente aprender coisas novas enquanto dormíamos. Eles achavam que nosso cérebro estava muito focado nas "tarefas domésticas" noturnas.
Mas um novo estudo da Decoding Sleep Interfaculty Research Cooperation na Universidade de Berna, Suíça, mostrou que os canais de aprendizado do cérebro também estão abertos durante o sono.
O que descobrimos em nosso estudo é que o cérebro adormecido pode realmente codificar novas informações e armazená-las por longo prazo. Ainda mais, o cérebro adormecido é capaz de fazer novas associações ”, disse Marc Züst, co-primeiro autor do artigo.
No estudo, os pesquisadores examinaram se as pessoas podem formar associações significativas entre palavras estrangeiras e suas traduções enquanto dormem em ondas lentas, um estágio em que uma pessoa tem pouca consciência do seu ambiente. Os participantes do estudo de língua alemã dormiram ao som de uma gravação de áudio que apresentava pares de pseudopalavras representando uma língua estrangeira inexistente e suas traduções. O objetivo era verificar se as palavras deixariam algum tipo de traço na memória do paciente, mesmo que estivesse inconsciente.
Quando acordaram, as palavras falsas foram novamente apresentadas aos participantes, mas desta vez sem suas traduções. Como os participantes não sabiam que uma gravação estava sendo reproduzida enquanto dormiam, eles não sabiam que seus cérebros haviam ouvido algumas das palavras antes. Os participantes do estudo foram convidados a imaginar o objeto que as pseudopalavras representavam e a adivinhar se era menor ou maior que uma caixa de sapatos - uma abordagem que permitia aos pesquisadores explorar sua memória inconsciente.
É difícil declarar explicitamente a memória implícita. Tivemos que acessar seu conhecimento inconsciente e implícito através de perguntas sobre aspectos semânticos dessas novas palavras”, disse Züst.
Os pesquisadores descobriram que os participantes foram capazes de classificar corretamente palavras estrangeiras a uma taxa de precisão 10% maior que a chance aleatória, desde que ouvissem a palavra em momentos precisos durante o sono por ondas lentas. O resultado sugere que a abordagem usada pelos pesquisadores faz com que o cérebro forme traços de memória ou alterações no cérebro que nos ajudam a armazenar uma memória.
"Se você apresentar 'biktum' e 'bird' para humanos adormecidos, o cérebro deles poderá fazer uma nova conexão entre o conceito conhecido 'bird' e a palavra completamente nova e desconhecida 'biktum' ', disse Züst. "Esse traço de memória formado pelo sono permanece na vigília seguinte e pode influenciar a maneira como você reage ao 'biktum', mesmo que você ache que nunca encontrou essa palavra antes. É uma forma implícita e inconsciente de memória - como um pressentimento ".
Quando um cérebro adormecido ouve uma palavra, provou ser um componente importante no aprendizado durante o sono. Durante o sono de ondas lentas, nosso cérebro alterna entre "estados altos" e "estados baixos" a cada meio segundo. Durante os estados de atividade, o cérebro é altamente ativo e interconectado - o principal para o aprendizado.
"Observamos com que frequência conseguimos atingir esses estados positivos com a nossa apresentação de palavras e o que descobrimos foi que existe uma curva clara de dose-resposta: quanto mais vezes você atinge um estado positivo, melhor a memória."
Em outras palavras, era mais provável que as pessoas classificassem corretamente as palavras que ouviram durante picos de ondas lentas do que aquelas que ouviram durante períodos menos ótimos de atividade cerebral. Para ver o que estava acontecendo dentro do cérebro, um subgrupo de participantes realizou o teste de memória pós-sono enquanto fazia imagens com ressonância magnética. Conforme os participantes classificaram as novas palavras que aprenderam enquanto dormiam, a ressonância magnética mostrou que as áreas de linguagem do cérebro e do hipocampo foram ativadas.
É uma indicação de que essas estruturas permitem a formação da memória, estando ou não acordados, de acordo com Züst.
Próximos passos
No futuro, pode haver aplicações práticas para a pesquisa que possam ajudar pessoas com dificuldades de aprendizagem ou déficits de atenção e idosos que denotam declínio cognitivo.
"Neste momento não sabemos se você pode aprender novas informações explicitamente mais rapidamente durante a vigília, se essas informações já tiverem sido apresentadas durante o sono. Isso é algo que examinaremos em um estudo futuro”, disse Züst.
Por enquanto, o estudo mostra que o conceito de aprendizado durante o sono pode ser mais um fato do que ficção.
"Acho incrível que os humanos sejam capazes de processar informações tão sofisticadas sem consciência."

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem