Segundo o órgão, responsável pelo exame, “reorganizar um cronograma com a finalidade de adiamento do Enem, seria fragilizar e colocar em risco as políticas de pessoas por ele provocadas”. 

Adiamento do ENEM

A partir do registro apresentado ontem à noite durante a AGU (Advocacia-Geral da União), o instituto afirma ainda que:

“O exame na data marcada é absolutamente possível e seguro para todos os envolvidos, sem nenhum perigo para a saúde”.

Portando não há que se falar em Adiamento do Enem, não há absolutamente nenhuma limitação de tempo para a Justiça Federal julgar o pedido de DPU após a manifestação do Inep. O adiamento criaria “discrepância social”. 

Segundo o Inep, quando hábil contra o progresso, “a preocupação maior com saúde e vida” não está sendo descartada. Para o serviço, “aproveitar a perspectiva do aluno para fazer esse exame seria acentuar, muito mais, alguma discrepância social e financeira, é definir os olhares de ascensão e expansão dos jovens em um local bem mais distante.

Adiamento do Enem: Defensoria Pública da União ingressou com ação na justiça


Uma outra novidade sobre o Adiamento do Enem é que a Defensoria Pública da União apresentou nesta sexta-feira (01/08) novo pedido de tutela emergencial ao adiamento das avaliações do Exame Nacional do Ensino Médio, previsto para o próximo dia 17/01:

 "Antes que pudesse ser realizado com segurança, ou enquanto o cenário não for tão perigoso quanto agora ".


A ação civil popular foi registrada em abril do ano passado, logo após o livro desta nota do Enem, requerendo a alteração do programa para a situação estabelecida a partir da catástrofe Covid-19.

A secretaria anunciou que em abril não se sabia se as avaliações poderiam ser obtidas em janeiro, tanto por conta do estado de saúde quanto em função do material desta temporada universitária.

“Finalmente temos um teste agendado no ápice da próxima onda de doenças, sem nenhuma clareza sobre as medidas tomadas para evitar a contaminação dos participantes da avaliação, tanto os alunos como os funcionários que irão utilizá-la”, afirma o Defensor.


O DPU não encontra uma abordagem viável para empregar o Enem para quase seis milhões de alunos no país e teme um crescimento exponencial da contaminação após a avaliação.

O instituto afirma que a pontuação do Enem é utilizada em aplicações educacionais no país, incluindo Sisu (Sistema de Seleção Unificada para Universidades), Prouni (Programa de Universidade Para Todos) e Fies (Programa de Financiamento Estudantil), que pode, com base no Inep, ser alterada com todos a suspensão deste exame. “Um adiamento adicional do Enem inviabilizará o início do ano letivo nas universidades nacionais, além da adesão às inscrições”.

Para o Inep, o adiamento prejudica "os alunos muito carentes que não conseguiram uma vaga em uma faculdade pública". "Porque as escolas / escolas certamente não alterarão seu calendário acadêmico por causa dos alunos." “Na formação, não há absolutamente nenhum diálogo efetivo com universidades, alunos e professores sobre o tema”, informou ao UOL.

Ela também afirma que o edital do INEP “faz parecer que o DPU e as entidades discentes buscam o adiamento definitivo desse exame”. "O que é desonestidade intelectual." “Não existe um método seguro” O DPU afirma que “não existe uma forma segura de fazer um teste com quase seis milhões de alunos neste momento, durante a nova cúpula das instâncias covid-19”. 

O Inep, por outro lado, defende-se afirmando que houve "uma campanha institucional redobrada a partir da adoção e implementação com sucesso de todas as medidas de segurança previstas nas leis relativas à prevenção e combate ao covid-19".

Adiamento do Enem: segundo o INEP, medidas de segurança seriam adotadas


Além de sugerir que adotará medidas de segurança por conta dessa catástrofe de saúde, o instituto afirma que os alunos infectados com o covid-19 poderão fazer o exame em fevereiro. 

“Esperar para fazer o exame em uma data imprevisível pode trazer prejuízos maciços aos candidatos”, afirma o Inep.

Destacando que o exame custa R $ 700 milhões e um novo adiamento do Enem, pode ter um impacto monetário para o país.

Acredito que devemos refletir sobre o Enem 2020. Estamos em um momento muito desafiador, nessa pandemia desafiadora, e já estão considerando o Enem 2021, dispensando muitos alunos que não terão a capacidade de se engajar no Enem 2020. " O exame inclui pouco mais de 6 milhões de leitores.

Ela lembra que há alunos que ficaram sem acesso à escola por 2 meses e alguns alunos não estão conseguindo vagas no Inep para turmas para pessoas do grupo de risco de covid-19. 

ENEM 2021

O Inep também afirma que "o ambiente de teste difere [dos] cursos". "Em um ambiente de teste, as pessoas não terão a capacidade de falar umas com as outras.

As pessoas não estarão interagindo, trocando, elas ficarão quietas e depois visitarão suas casas. 

“No expediente encaminhado à Justiça, o Inep descreve uma palavra do presidente do mágico, Alexandre Lopes, que afirma que“ 

O pensamento era não fazer o teste logo após a pandemia era remoto, de um eventual adiamento do ENEM ”“ um evento que é a porta de entrada para o ensino superior e a instrução é e sempre será uma ação importante ”, afirma o Inep.
Postagem Anterior Próxima Postagem
Cupom de desconto workana de R$ 100,00